TIMO TOLKKI'S AVALON: THE LAND OF NEW HOPE [REVIEW]

quinta-feira, maio 23, 2013

Com uma incrível ênfase em partes emocionais, um impressionante lirismo melódico e uma eficiência especial nos momentos bombásticos, o primeiro capítulo do projeto conceitual trilogia AVALON chamada "The Land Of New Hope" é outra grande prova de que esse tipo de álbum coral (ou chamanda Metal Opera) é agora um gênero próprio, mas também um grande sucesso tanto artisticamente mas também de negócios inteligentes. O protótipo é claramente Tobias Sammet do AVANTASIA com a última obra ("The Mystery of Time"). 

Com uma interação narrativa entre os personagens, mas não muito conceituais ou hermética, o material é essencialmente focalizado na magia e composições mais do que todo o resto, com uma nova coesão fundada e uma unidade que às vezes estava faltando e é realmente um forte foco em grandiloqüente memorável coral, com ganchos hit-singles, melodias altamente colocadas e apelo tenaz que chama a atenção imediatamente. 

Na verdade, é uma nova era para o ‘’Mastermind’’ finlandês e seu grupo.Timo Tolkki’s Avalon oferece canções de cair o queixo, épicas orquestradas e metal de uma forma grandiosa, com ainda um limite rockin ' e ele está tocando aqui o que pode ter sido sua última chance, e acho que perfeitamente terá sucesso em recuperar a sua credibilidade como um artista compositor, mas também como um guitarrista fantástico. O elenco inteligente dos mais renomados cantores é impressionante como sempre no papel, mas também muito homogêneo musicalmente como cada protagonista completa perfeitamente o outro em uma química sólida, a complementaridade vocal é um dos melhores que você pode imaginar (In the Name Of The Rose) no final é muito difícil dizer qual vocalista masculino é o mais impressionante, mas, talvez eu acredito, que Rob Rock absolutamente dá o melhor de si mesmo (The Magic Of The Night ), seguido muito perto pelo senhor Russell Allen (A World Without Us), mas ambas perfomances de Kiske (The Land of New Hope) e Tony Kakko (We Will Find a Way), são incríveis também. Por outro lado, a vencedora da batalha das meninas é a linda senhorita Elyse Ryd (Shine), não há dúvida: ela absolutamente acertou em cheio, seu talento emocional e técnica são impecáveis. Elyse ainda aparece aqui como o ponto focal real e eu aposto que ela vai desempenhar um papel importante em toda a saga que Tolkki criou. 

O nível de musicalidade também é bastante elevado com inúmeros neo-clássicos spots de guitarra, uma constante enxurrada de kick pulse duplo e acima de tudo uma cabeça girando ‘’RISING FORCE’’ como num duelo pirotécnico entre Tolkki e o maestro Jens Johansson na canção extremamente cativante "Edge of the World". A comparação musical evidente com HELLOWEEN / STRATOVARIUS / NIGHTWISH ou criminalmente subestimado REVOLUTION RENAISSANCE é obviamente válido. Óbvio, porque como um originador cedo ativo e um dos antepassados desse estilo, Tolkki ainda mantém a receita ancestral de que o estilo de Power Metal brilhante e sabe perfeitamente todos os truques sutis para proporcionar uma fantástica colecção de música com temas viciantes o suficiente e habilidades para metal como ("Avalanche Anthem") para agradar a todos os Headbangers famintos e até mesmo a maioria dos ávidos e exigentes fãs. 

Aparentemente, a narração está trabalhando de trás pra rente, a história já acabou, e o resto da trilogia vai contra outros prequels e flashbacks, então mais duas óperas de metal são propensos a seguir: partes II e III devem ser muito interessante. 

O lado conceitual não é muito complexo e é muito amigável, fácil de pegar com uma grande mensagem positiva e também uma advertência ecologista, a fim de salvar o nosso planeta, mas honestamente, eu realmente não acho que é tão importante para apreciar plenamente o álbum, no entanto, a espinha dorsal da história é uma odisseia muito interessante de alguns sobreviventes de uma civilização devastada em 2055, um conto futurista sobre um mundo pós-apocalíptico, distópico, com bastante variedade e dinâmica no som para apagar a armadilha obsolescência programada, aproveitando a força de cada um dos cortes de forma independente, pelo contrário, vou esperar e torcer para uma turnê, como a versão ao vivo de algumas faixas aqui poderia ter sido uma revelação para o seu potencial como futuros hinos fase clássica.

Mais uma vez, um grande aplauso para os italianos no Frontiers Records e seu líder, Seraphino P.; quem demonstrou que eles têm a coragem e dedicação o suficiente para ir além da chamada do dever, com um projeto criativo mais arriscado e perigoso do que o seu lote mensal de álbuns de seguros e esperado, um prato que finalmente revela a ser uma das pedras angulares 2013, sem dúvida recomendado.

Tradução: Daiane Aguilär
Fonte: Metal Temple

COMPARTILHE!

Site dedicado ao Stratovarius

Relacionados

Próxima
« Prev Post
Anterior
Next Post »