NEMESIS TEM UMA AGRADÁVEL AUDIÇÃO DO COMEÇO AO FIM, SEM PAUSAS NO MEIO

quarta-feira, janeiro 30, 2013

Imagine isso. Uma banda de Heavy Metal finlandesa com estrelas nos olhos e fogo em seus corações que se juntou a cena do metal nos anos oitenta. 

Claro, eles estavam constantemente competindo com uma onda maciça de companheiros de bandas européias com o mesmo sonho.

Apesar da cena saturada, a banda conseguiu criar material sólido e foram notados por algumas gravadoras, em seguida, começaram a construir um nome para si. No entanto, algo desconhecido para a banda na época, estava faltando.

 Foi quando Timo Kotipelto entrou na banda em meados dos anos 90 e os “planetas devem ter alinhado”, porque Stratovarius encontrou a sua voz e      definiu seu curso para a frente.

Também com a adição do tecladista Jens Johansson eles finalmente encontraram o seu som e continuaram com ele, criando a sua marca, uma experiência épica, inesquecível e que os fãs de Power Metal em todo o mundo já conhecem como Stratovarius.

Lançaram alguns dos mais fortes álbuns na história Power Metal como "Dreamspace", "Visions" e "Destiny". Já o "Nemesis", próximo album, é um passo acima de quase todas as versões anteriores, ele proporciona uma agradável audição do começo ao fim, sem pausas no meio.

A emoção vem sendo construída há meses sobre o lançamento de "Nemesis" em fevereiro a partir de um EP intitulado "Unbreakable" lançado antecipadamente, no final de janeiro.

Este é um daqueles lançamentos que deve ser experimentado para ser acreditado. O álbum tem inúmeros momentos que tiram o fôlego de longe. Os arranjos, solos harmonizados e os refrões épicos são alguns dos melhores que Stratovarius já fez e cada música é cheia de momentos cativantes que fazem realmente o album ficar com você. 

Desde os primeiros momentos em "Abandon" até os últimos segundos da faixa-título, "Nemesis", o álbum é quase bom demais para ser verdade, esta será facilmente a melhor música que Stratovarius lançou em anos e perto do topo de seus melhores álbuns de todos os tempos.

"Unbreakable" é sem dúvida um single digno, com teclado cativante e riffs de guitarra ao longo dos versos. Jens Johansson está na vanguarda musical, tocando uma melodia alegre de teclado que você provavelmente vai cantarolar por dias. Juntamente com um riff de guitarra “rasgado” feito por Matias Kupiainen, esta faixa tem tudo que um fã de power metal poderia pedir. O momento em que o coro entra em cena, se alguém ainda está em seus assentos só pode ser surdo, afinal é a única desculpa para não curtir. 

A voz de Kotipelto é levemente revestida com uma reverberação em eco e variando em seu melhor alcance vocal, ele traz um novo significado para o título da faixa, é uma canção de metal realmente ‘sólida’.
Com pouco tempo para se recuperar da incrível "Unbreakable", "Stand My Ground" segue com uma sonoridade que Kotipelto canta agressivamente e rapidamente quebra em uma elevação com a frase "No one can bring me down.." no refrão, repetido por muitas vozes em camadas bastante celestes.

O álbum segue para uma faixa mais pesada "Halcyon Days", com ritmo acelerado de tambores e cordas. Diferentes camadas de instrumentos através dos riffs abertos em uma presença deus - como vocal de Kotipelto no coro. Sinteticamente, os padrões vocais e bateria nesta canção simplesmente gritam para você se levantar e dançar.

Bem, neste ponto de qualquer álbum, seria de esperar que haja uma música que é: “Hum..Ok”  então você pode pular a faixa ... mas não neste álbum!

Cada canção brilha por si só, mas eles continuam maravilhosamente. 
"Fantasy" e "Out of the Fog" ambos corais se apresentam fortes e a orquestração é nada menos que fantástico.

Em “Fantasy”, o baixista Lauri Porra é autor da composição exclusiva, e em Out of the Fog  oferece um dos riffs mais contagiosos do álbum. 

O novo baterista, Rolf Pilve brilha durante todo o disco, mas "Out of the Fog" realmente mostra suas habilidades gerais.

Johansson acrescenta sua própria criação em "Nemesis", com as faixas "Castles in the Air" e "Dragons". "Castles in the Air" começa com um interlúdio de piano rolante que rapidamente se transforma em uma construção maciça de elementos crescentes e todos os instrumentos se reúnem em uma viagem dinâmica sonora. 

Enquanto isso, "Dragon" quase remete a época de Jens  com Yngwie Malmsteen, um riff-rock orientado com alguns momentos texturizadas progressivos.

Outra faixa notável é a balada do álbum, "If the Story is Over", composta com a ajuda de Jani Liimaitainen, que trabalhou com Kotipelto na banda Cain’s Offering e nos agraciou com a sua presença na Sonata Arctica, de 1999 a 2007. Claramente não é estranho o poder emotivo da música, a ajuda Jani é definitivamente sentida nesta faixa.

As letras e fraseado vocal são nada menos que impressionante, o tempo todo, a música constrói a partir de um pedaço lento acústico em uma presença marcante no álbum que você nunca vai esquecer. Liimitainen também co-escreveu a faixa anterior, "Out of the Fog".

Nemesis tem um monte de limites no tradicional power metal do Stratovarius, mas eles conseguiram evoluir e desenvolver seu som a um metal muito mais moldado, maduro, polido e pesado. Ouvi-la do início ao fim me faz sentir invencível, como se eu pudesse resistir a qualquer inimigo no mundo e eu permanecerei "inquebrável".

Este álbum chegou às profundezas do meu interior, minha vontade, meu coração e minha alma. Ele veio no momento perfeito em minha vida onde eu sinto que sou uma pessoa melhor apenas por ouvi-lo. 

Não é muito frequente que um álbum pode trazer uma lágrima aos olhos de um ‘coração de metal’, mas este álbum tem feito exatamente isso. Isso é mais do que música, é uma obra-prima e deve ir para o livro do heavy metal como um dos melhores álbuns de heavy metal de todos os tempos. Eu só posso dizer para qualquer um de vocês que estão lendo isso, que vocês sintam o álbum da mesma forma que eu, porque eu nunca mais serei o mesmo!

Resenha de Mattie Jensen   

Tradução: Daiane Aguilär


COMPARTILHE!

Site dedicado ao Stratovarius

Relacionados

Próxima
« Prev Post
Anterior
Next Post »